Caracterização genética de populações de abelhas nativas

· As bibliotecas genômicas enriquecidas para microssatélites, construídas para espécies de Meliponini (Frieseomelitta varia, Plebeia remota, Scaura latitarsis, Tetragona clavipes, Tetragonisca angustula e Trigona spinipes) foram triadas e locos para regiões de microssatélites foram caracterizados para algumas espécies. As análises para F. varia resultaram em um manuscrito que se encontra submetido à revista Apidologie e apresentação em forma de pôster no 55° Congresso Brasileiro de Genética. Os resultados parciais para as espécies S. latitarsis e P. remota foram apresentados em forma de pôster em congressos nacional e internacional.

· O projeto de doutorado, da aluna Alayne M. T. Domingues-Yamada, versando sobre a variabilidade genética de S. latitarsis foi finalizado. Neste projeto foram realizadas análises do genoma mitocondrial, de locos de microssatélites e morfometria das asas. Um manuscrito reportando os dados morfométricos encontra-se em preparação. Dados parciais do trabalho foram apresentados em forma de pôster em Congresso Internacional.

· O projeto de mestrado, do aluno Paulo Henrique Pereira Gonçalves, versando sobre a variabilidade genética de F. varia, amostradas no campus da USP-RP e em locais de ocorrência natural, foi finalizado. Neste projeto foram realizadas análises do genoma mitocondrial, locos de microssatélites e morfometria das asas. Os resultados parciais foram apresentados em forma de pôster em Congresso Internacional e serão no Encontro sobre Abelhas de Ribeirão Preto.

· Amostragem de ninhos de Meliponini do campus da USP-SP foi finalizada e contou com a participação do bolsista TT3 Leandro R. Santiago. Aproximadamente 100 ninhos, totalizando sete espécies foram amostrados, fotografados e suas coordenadas geográficas foram registradas. Para a espécie T. angustula, 50 ninhos foram amostrados.

· Dois projetos de mestrado com a espécie T. angustula foram iniciados. Os objetivos são avaliar a variabilidade genética de amostras coletadas em meliponários e em áreas urbanizadas que ainda mantêm áreas verdes como os campi da USP-SP e USP-RP. As amostras de meliponários totalizaram 154 ninhos. Nove locos de microssatélites foram analisados e o número de alelos variou de 3 a 16 no meliponário de Pedreira (SP) e de 3 a 22 no meliponário da região do Vale do Paraná. Os resultados preliminares indicam uma grande riqueza alélica. Três regiões do genoma mitocondrial foram seqüenciadas: COI, CytB e ND2. Para as análises de variabilidade genética dos campi, foram amostrados 50 ninhos de cada local e as mesmas regiões mitocondriais e locos de microssatélites estão sendo analisadas. Resultados preliminares desses 2 projetos serão apresentados no Encontro sobre Abelhas de Ribeirão Preto.

· Ainda para a espécie T. angustula um projeto de doutorado está em desenvolvimento, onde amostras de áreas naturais, dentro da distribuição geográfica da espécie, estão sendo analisadas. Os resultados parciais serão apresentados no 56° Congresso Brasileiro de Genética.

· Aprimoramento da técnica de produção “in vitro” de rainhas de T. angustula, com uma maior proporção de rainhas produzidas e fecundadas. Os resultados foram apresentados em reuniões científicas. Este tema faz parte da Dissertação de Mestrado do aluno Mauro Prato, bolsista da FAPESP. Outras rainhas foram também pesquisadas: F. varia e outras abelhas sem ferrão.

· Caracterização de locos microssatélites para a espécie N. testaceicornis.

· Iniciou-se o estudo de variabilidade genética e fluxo gênico em agregações de ninhos de N. testaceicornis através de marcadores microssatélites, no qual já foram realizadas a padronização do protocolo de amplificação de locos microssatélites desta espécie por nós caracterizados. Os resultados parciais foram apresentados em reuniões científicas. Em 2010, foi realizada a defesa da Aline S. Fonseca.

· Realizou-se o levantamento e amostragem das agregações de ninhos de Scaptotrigona spp. no campus da USP de Ribeirão Preto onde foram encontradas 11 árvores com mais de um ninho. Iniciou-se então o estudo da estrutura genética dessas agregações através de marcadores microssatélites, no qual estamos realizando o processo de padronização dos marcadores microssatélites heterólogos sendo que o loco Tc302 – desenvolvido para Trigona carbonaria - apresentou resultados satisfatórios. Este assunto se refere a dissertação de Mestrado da aluna Camila C. M. Dias.

· Amplificação de seis regiões do genoma mitocondrial de N. testaceicornis e posterior digestão com 17 endonucleases. Até o momento foram detectados vários sítios de restrição para as enzimas utilizadas. Os resultados parciais foram apresentados em reuniões científicas. Em 2010 foi realizada a defesa da Amanda F. Assis.

· O doutorado de Kátia M. Ferreira, a ser concluído brevemente, tem por objetivo averiguar como uma espécie de abelha coloniza uma área, utilizando Partamona helleri como estudo de caso. A hipótese que fundamenta este projeto é a de que uma área é usualmente colonizada por um número reduzido de fêmeas fundadoras. O teste da hipótese consiste em identificar o número de fêmeas fundadoras mediante a identificação do número de haplótipos mitocondriais (decorrente da herança materna). Os dados obtidos nesta espécie (e outras espécies de Partamona sob análise) parecem confirmar a hipótese. Como consequência, é esperado que esta estruturação seja compensada por um alto grau de dispersão dos machos, sem a qual espera-se problemas decorrentes do sistema de determinação do sexo nos himenópteros devem ocorrer. Para investigar esta questão, foram prospectadas regiões de microssatélites na espécie e os locos identificados estão sendo empregados para a análise familial (as colônias são monogínicas e monândricas) e populacional (dados em análise). Este trabalho foi apresentado no IX Encontro sobre Abelhas.

· O mestrado de Camilla H. Silva, a ser concluído nos próximos meses, investiga a biologia de nidificação, a estrutura familial e populacional de Centris analis e C. tarsata amostrada em área da FFCLRP-USP. Análises de sequências de genes mitocondriais indicam que os ninhos coletados foram nidificados por fêmeas de mesmo haplótipo mitocondrial. Análise alozímica indicou uma estrutura familial simples (monandria da fêmea).

· O mestrado de Natália C. M. Cerântola investigou a ocorrência de dispersão sexo-assimétrica em euglossíneos. Utilizando sequências de genes mitocondriais e locos microssatélites, foi possível caracterizar alta estruturação populacional para os marcadores mitocondriais, mas ausência de estruturação para os microssatélites. Estes dados confirmaram a hipótese de dispersão sexo-assimétrica, isto é, dado a filopatria das fêmeas, pode-se dizer que as fêmeas são colonizadoras e os machos dispersores. Ressalte-se que este é o primeiro estudo em Euglossini baseado na análise de fêmeas; estas foram coletadas em flores em ambientes urbanos de onze localidades de um transecto do Estado de São Paulo. Deste trabalho, temos uma publicação aceita em Apidologie e estes achados foram apresentados no IX Encontro sobre Abelhas.

· O mestrado de Otávio Lino e Silva estudou as relações filogeográficas entre Exaerete smaragdina e Eulaema nigrita, espécies que apresentam uma relação de cleptoparasitismo-hospedeiro. Além disso, tentou confirmar mediante sequências de genes mitocondriais o status de espécie de Exaerete lepeletieri, já que tal fato tem sido motivo de controvérsia. Os dados ainda exigem o acréscimo de novas informações e uma análise mais fina, o que já está sendo feito. Ressalte-se que esta é a nossa primeira iniciativa em realizar análises genéticas a nível suprapopulacional, de espécies e supraespecífico.

· Recentemente, teve início o trabalho de doutorado de Natália C. M. Cerântola. Ela dará continuidade ao trabalho desenvolvido por Otávio L. Silva, acima apresentado, já que seu projeto objetiva propor uma filogenia para o gênero Exaerete.